doença do beijo

Cuidado com a doença do beijo

A Doença do Beijo, como é conhecida popularmente, é uma síndrome infecciosa que acomete principalmente pessoas entre 15 e 25 anos. Ela é causada pelo vírus Epstein-Barr, que atua sobre os linfócitos do organismo. “A doença costuma ser confundida com amigdalites e faringites, as chamadas infecções de garganta, por apresentar sintomas como febre alta, dor durante a deglutição dos alimentos, tosse, dor nas articulações, cansaço, falta de apetite, dor de cabeça, calafrios, desconforto abdominal, vômitos e dores musculares”, explica Mauro Scharf, diretor médico da Unimed Laboratório.

Como não existe vacina específica, não há uma proteção efetiva contra o vírus. “A eliminação do vírus ocorre principalmente pela saliva do paciente sintomático. Mas mesmo pacientes completamente assintomáticos podem ser fonte de contágio”, alerta o infectologista da Unimed Laboratório, Jaime Rocha. Na época do Carnaval ou após grandes eventos festivos, é possível notar um aumento de casos da doença, pois as pessoas tendem a beijar mais e a aumentar o número de parceiros.

A infecção é controlada pelo próprio organismo depois de duas semanas, mas nesse período pode ser transmitida. Os efeitos da doença são combatidos com analgésicos, antitérmicos, repouso e boa hidratação. “O paciente recupera-se espontaneamente, porém, uma pequena proporção de doentes necessita de mais tempo. Sendo autolimitada, é uma doença que pode passar sem diagnóstico confirmado caso o paciente não procure serviço médico adequado e faça os exames corretamente”, afirma Mauro Scharf.

Sintomas

Fadiga

Sensação geral de mal-estar

Dor de garganta

Inflamação de garganta que não melhora com o uso de antibióticos

Febre

Inchaço dos gânglios linfáticos no pescoço e axilas

Amígdalas inchadas

Dor de cabeça

Erupção cutânea

Sintomas como febre e dor de garganta geralmente diminuem dentro de duas semanas. No entanto, outros sinais como fadiga, aumento dos gânglios linfáticos e baço inchado podem durar por mais tempo.

Diagnóstico

A análise dos sintomas é fundamental para o diagnóstico da mononucleose e alguns exames ajudam a confirmar o diagnóstico:

Exames sorológicos: um teste pode ser feito para detectar a presença de anticorpos para o vírus EpsteinBarr no seu corpo. Este exame dá resultados dentro de um dia, mas não pode detectar a infecção durante a primeira semana da doença.

Hemograma completo: um hemograma completo pode ser feito para descartar outras infecções.

Exames de fígado: podem ser feitos para descobrir se o vírus está afetando esse órgão. Se o teste de mononucleose é negativo, o médico pode testá-lo para uma infecção por citomegalovírus ou outros organismos.

Prevenção

A mononucleose é transmitida através da saliva. Se estiver infectado, ajude a prevenir a propagação do vírus para outras pessoas:

Não compartilhe alimentos, pratos, copos e outros utensílios por até vários dias após cessar os sintomas.

O vírus Epstein-Barr pode persistir em sua saliva durante meses após a infecção, por isso a mononucleose é popularmente conhecida como a doença do beijo.

 

Posted in Notícias and tagged , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *