Exames realizados na Unimed Laboratório são capazes de detectar amostras com variação do novo coronavírus

Nos últimos dias, uma nova variante do SARS-CoV-2 foi detectada no Brasil. A cepa B.1.1.7 (como é chamada) já havia sido identificada no Reino Unido e em outros 18 países, como Portugal, Dinamarca, Austrália, Índia, Coreia do Sul e Canadá. Estudos preliminares indicam que a nova variante do coronavírus é mais transmissível que a que já estava em circulação.

O que trouxe à tona preocupações sobre a possibilidade de causar sintomas mais graves da COVID-19, de impactar de forma negativa na resposta à vacinação e de não ser detectada em exames realizados no Brasil.

Diante desse cenário, a Unimed Laboratório vem esclarecer que o exame RT-PCR processado a partir de amostra colhida por swab nasal e/ou orofaringe e o sorológico para detecção de anticorpos da COVID-19 são capazes de detectar o novo coronavírus mesmo com variações como essa. Isso porque a variação é definida por múltiplas mutações no gene viral que codifica a proteína da espícula (Spike). Os alvos para diagnóstico molecular utilizados pela Unimed Laboratório avaliam os genes que codificam a proteína do núcleocapsídeo (N) e a poliproteína ORF1ab, não sendo impactados por alterações no gene Spike.

A Unimed Laboratório esclarece ainda que tem feito monitoramento constante dos resultados e encaminhado possíveis amostras atípicas para o sequenciamento de genoma viral no setor de Biologia Molecular. Com isso, são mantidos os parâmetros como sensibilidade e especificidade analítica.

Vale ressaltar que nos resultados de exames da Unimed Laboratório em que o novo coronavírus é detectado, não consta qual foi a variante encontrada.

Diferenças entre os exames

Confira as principais diferenças entre os exames disponibilizados pela Unimed Laboratório para diagnosticar a COVID-19.

O exame de RT-PCR é um teste molecular, ou seja, baseado na pesquisa do material genético do vírus (RNA), em amostras coletadas por swab nasal ou orofaringe obtido com uma haste flexível. É considerado o exame laboratorial padrão-ouro pela OMS para detecção direta do coronavírus e diagnóstico da infecção. É indicado somente para pacientes com sintomas nos primeiros 10 dias, considerada a fase aguda da doença, para definição de conduta clínica e isolamento do doente. O exame deve ser solicitado por um médico e o paciente precisa realizar o agendamento no site da Unimed Laboratório para receber informações sobre a coleta em sistema drive-thru.

Os exames sorológicos são realizados por punção venosa, sem necessidade de jejum, nas unidades abertas da Unimed Laboratório. Eles detectam anticorpos para o novo coronavírus no sangue e são utilizados para fins epidemiológicos. O exame deve ser solicitado por um médico e é indicado para pacientes assintomáticos que já apresentaram sintomas da doença há mais de 14 dias e que, que tiveram resultado do RT-PCR negativo ou ainda que, por algum motivo, não fizeram o RT-PCR. Um resultado positivo para o teste sorológico confirma que o paciente teve contato com o vírus no passado, ainda que não seja possível saber em que momento isso tenha acontecido. Importante ressaltar que não há evidência científica suficiente para garantir que as pessoas que já foram infectadas estejam imunes à doença.

Para ambos, o resultado é obtido em até dois dias úteis após a coleta.

Posted in Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *